O Dilúvio de Noé é Simplesmente um Reconto de Mitologias Anteriores?

Print Friendly, PDF & Email

Is Noah’s Flood Simply a Retelling of Prior Mythologies?

O Livro do Gênesis tornou-se um para-raios para céticos e cristãos. Às vezes, o debate é focado em Gênesis 1 e no relato de criação. Qual foi o comprimento de cada “dia” registrado aqui? Como conciliar contradições aparentes entre o capítulo 1 de Gênesis e o capítulo 2? Como um novo investigador do Cristianismo, essas questões foram importantes para mim quando voltei ao Antigo Testamento para ligar os pontos entre a história do Judaísmo e as reivindicações do Cristianismo. A história do dilúvio, registrada em Gênesis 6:9-8:22, também foi uma área de particular interesse para mim. Eu sabia que a história não era exclusiva do Judaísmo e eu suspeitava que era um fragmento emprestado de mitologia.

A versão de Moisés do Dilúvio de Noé não foi emprestada de uma mitologia anterior; é um relato preciso de um evento antigo mais tarde recontado por grupos de pessoas em todo o mundo. Click To Tweet

Acontece que existem mais de 200 histórias de dilúvios em todo o mundo, de praticamente todas as culturas ou sociedades primitivas que você possa imaginar. Além da região da Turquia, Egito e Pérsia, esses relatos antigos são encontrados na história de grupos de pessoas tão distantes como a China e a Tailândia, Austrália e Nova Zelândia, o Alasca e o continente norte-americano, as ilhas do Pacífico Sul e em todo a América Central e Sul. Eu examinei estas histórias e, para ser justo, algumas delas são diferentes do relato bíblico do dilúvio. Mas muitos também incluem características ou detalhes encontrados na descrição de Moisés. Uma família favorecida (88%) foi avisada antecipadamente (66%) de uma inundação globalmente catastrófica (95%). Os sobreviventes usaram um barco (70%) para salvar animais (67%) e eventualmente pousaram em uma montanha (57%).

Esses relatos (semelhantes como podem ser) abrangem o curso da história humana primitiva. Eles não aparecem no globo simultaneamente, mas são, em vez disso, registrados por grupos de pessoas à medida que migram para várias regiões. Enquanto as semelhanças de seus registros podem afirmar a repetição de um evento original, como sabemos quando ocorreu esse evento e em qual versão devemos confiar? Muitos estudiosos têm argumentado que o relato de Moisés não é o original. Por que devemos confiar nele como autoridade quando há outras “mitologias” de dilúvio concorrentes? A Epopeia de Gilgamesh, por exemplo, contém muitas das mesmas características descritas no relato de Moisés. Em ambas as histórias, a maldade do homem é a causa de um dilúvio provocado por Deus(es), e um único homem justo é comandado a construir um barco extremamente grande. Este homem reuniu um pequeno remanescente da humanidade junto com todas as espécies de animais para se refugiar no navio; o dilúvio, então, destruiu todas as criaturas restantes. Os ocupantes do barco lançaram pássaros em um esforço para encontrar terra seca, e o barco acabou por se encontrar em uma montanha alta. O protagonista de cada história ofereceu, então, um sacrifício antes de ser abençoado por sua obediência.

De acordo com os mais conservadores tradicionalistas, Moisés escreveu sua versão da história do dilúvio entre os séculos XVI e XII a.C. Enquanto a Epopeia de Gilgamesh foi escrita entre os séculos XIII e X a.C., acredita-se que o 11ª tablete seja uma inserção de um relato ainda mais antigo do dilúvio, a Epopeia Acadiana de Atrahasis, escrita no século XVIII a.C. Moisés simplesmente tomou emprestado da mitologia existente da epopeia acadiana quando reconstituiu sua história do povo judeu? Por que devemos confiar na versão de Moisés do evento quando há outros relatos mais antigos?

Creio que há boas razões para confiar no relato de Moisés sobre o dilúvio mais que em outras versões antigas. Primeiro, temos que lembrar que muito do que Moisés escreveu no relato de Gênesis não foi o resultado de sua condição de testemunha ocular. Ele não estava presente para ver a criação do mundo ou testemunhar a história de Noé, Abraão ou José. Moisés não aparece na narrativa até o livro do Êxodo. Então, de onde Moisés obteve suas informações? Grande parte dela era provavelmente uma parte da tradição oral (ou escrita) do povo judeu, e muito disso foi através da revelação direta de Deus. Lembre-se que Moisés foi o cara/sujeito que conseguiu falar com Deus no Monte Sinai. Embora os relatos acadiano e mosaico possam ter sido escritos nos séculos XVIII-XVI a.C., ambos descrevem algo que ocorreu muito antes (talvez já no século XXIII a.C.). Ambos os autores estão descrevendo algo que não viram com seus próprios olhos. Nesse sentido, ambas os registros enfrentam o mesmo desafio: Por que devemos confiar em qualquer um deles como autoritário?

Há muitas razões para confiar no Antigo Testamento. É verificado repetidamente pela arqueologia, cheio de profecias cumpridas e dados consistentes com observações modernas, e foi transmitido com o maior cuidado e precisão. Click To Tweet

Há muitas razões para confiar no Antigo Testamento. É verificado repetidamente pela arqueologia, cheio de profecias cumpridas e dados consistentes com observações modernas, e foi transmitido com o maior cuidado e precisão. Comparado com as elaboradas e extravagantes mitologias das narrativas Acadiana e de Gilgamesh, o relato do Antigo Testamento de Moisés sobre a história dos israelitas é sem graça [isto é, sem “enfeites” mitológicos] e historicamente razoável. Enquanto os outros relatos desapareceram da história humana séculos atrás, o relato confiável do Antigo Testamento continua a fornecer a base para a civilização ocidental. A versão de Moisés do Dilúvio de Noé não foi emprestada de uma mitologia anterior; é um relato preciso de um evento antigo mais tarde recontado por grupos de pessoas em todo o mundo.

J. Warner Wallace é um detetive de casos de homicído arquivadosdefensor do Cristianismo, pesquisador sênior do Colson Center for Christian Worldview, professor associado de apologética na Universidade de Biola e autor de Cristianismo Cold-Case , Cena do crime de Deus, e Fé Forense.

Mais artigos em português AQUI. Leia a tradução original AQUI.

Check Also

Quick Shot: “There is no such thing as sin”

Our “Quick Shot” series offers brief answers to common objections to the Christian worldview. Each …