Como Sabemos que os Evangelhos Foram Escritos por Testemunhas Oculares?

Print Friendly, PDF & Email

Why I Know the Gospels Were Written Early

O primeiro critério que uso para testar a confiabilidade de uma testemunha é simplesmente este: a alegada “testemunha ocular” estava realmente presente quando o crime ocorreu? Você não pode ser uma verdadeira testemunha ocular se você não estava lá para ver o que você disse que viu! Esse critério simples é parte de um modelo de confiabilidade de quatro partes que descrevo no livro Cold-Case Christianity e reflete as instruções do júri da Califórnia para os jurados que são solicitados a avaliar a confiabilidade das testemunhas oculares. Como um cético, examinei esta questão relacionada às reivindicações dos autores do Evangelho. Mateus e João foram supostamente testemunhas oculares da vida de Jesus. Marcos (de acordo com o bispo do primeiro século, Papias) narrou o relato do testemunho ocular do Apóstolo Pedro, e Lucas registrou sua própria investigação das testemunhas oculares. Mas quão antigos são esses relatos? Eles poderiam ter sido escritos por pessoas que estavam realmente presentes durante a vida e ministério de Jesus?

As evidências indicam que os Evangelhos são, de fato, antigos o suficiente para terem sido escritos por testemunhas oculares. Click To Tweet

As evidências indicam que os Evangelhos são, de fato, antigos o suficiente para terem sido escritos por testemunhas oculares. Aqui está um trecho de meu livro descrevendo as evidências para a datação antiga dos Evangelhos do Novo Testamento.

O Novo Testamento Não Descreve a Destruição do Templo
Começamos com talvez o evento histórico judaico mais significativo do primeiro século, a destruição do templo de Jerusalém em 70 d.C. Você pode pensar que este importante detalhe seria incluído no registro do Novo Testamento, especialmente porque esse fato corroboraria a previsão de Jesus (em Mateus 24:1–3). Mas nenhum relato do evangelho registra a destruição do templo. De fato, nenhum documento do Novo Testamento o menciona, embora haja muitas ocasiões em que uma descrição da destruição do templo poderia ter ajudado a estabelecer um ponto teológico ou histórico.

O Novo Testamento Não Descreve o Cerco de Jerusalém
Mesmo antes de o templo ser destruído, a cidade de Jerusalém estava sob ataque. Nenhum aspecto deste cerco de três anos é descrito em qualquer documento do Novo Testamento, apesar do fato de que os escritores do Evangelho certamente poderiam ter apontado para a angústia que resultou do cerco como um poderoso ponto de referência para as muitas passagens da Escritura que abordam extensivamente a questão do sofrimento.

Lucas Nada Disse Sobre as Mortes de Paulo e Pedro
O apóstolo Paulo foi martirizado na cidade de Roma em 64 d.C. e Pedro foi martirizado pouco depois em 65 d.C. Enquanto Lucas escrevia extensivamente sobre Paulo e Pedro no livro de Atos e os apresentava proeminentemente, ele não disse nada sobre suas mortes. De fato, Paulo ainda estava vivo (em prisão domiciliar em Roma) no final do livro de Atos.

Lucas Nada Disse Sobre a Morte de Tiago
Tiago foi martirizado na cidade de Jerusalém em 62 d.C., mas como as mortes de Paulo e Pedro, a execução de Tiago está ausente do relato bíblico, embora Lucas descreveu as mortes de Estevão (Atos dos Apóstolos 7:54–60) e Tiago, o irmão de João (Atos dos Apóstolos 12:1–2).

O Evangelho de Lucas é Anterior ao Livro de Atos
Na introdução do livro de Atos, Lucas escreveu: “Em meu livro anterior, Teófilo, escrevi a respeito de tudo o que Jesus começou a fazer e a ensinar, até o dia em que foi elevado ao céu, depois de ter dado instruções por meio do Espírito Santo aos apóstolos que havia escolhido.” (Atos dos Apóstolos 1:1–2) Está claro que o evangelho de Lucas (seu “livro anterior”) foi escrito antes do livro de Atos.

Paulo Citou o Evangelho de Lucas em Sua Carta a Timóteo
Paulo parecia estar ciente do evangelho de Lucas e escreveu como se ele fosse de conhecimento comum por volta de 63-64 d.C., quando Paulo escreveu sua primeira carta a Timóteo. Observe a seguinte passagem:

1 Timóteo 5:17-18
Os presbíteros que lideram bem a igreja são dignos de dupla honra, especialmente aqueles cujo trabalho é a pregação e o ensino, pois a Escritura diz: ‘Não amordace o boi enquanto está debulhando o cereal’, e ‘o trabalhador merece o seu salário’..    

Paulo citou duas passagens como “Escritura” aqui – uma no Antigo Testamento e uma no Novo Testamento. “Você não deve amordaçar o boi enquanto ele está debulhando” refere-se a Deuteronômio 25:4 e “O trabalhador é digno de seu salário” refere-se a Lucas 10:7. É claro que o evangelho de Lucas já era de conhecimento comum e aceito como Escritura no momento em que esta carta foi escrita.

Paulo Citou o Evangelho de Lucas em Sua Carta aos Coríntios
Paulo também parece ter conhecimento do evangelho de Lucas quando escreveu à igreja de Corinto (quase dez anos antes de sua carta a Timóteo). Observe a semelhança entre a descrição de Paulo da Ceia do Senhor e a do evangelho de Lucas:

Coríntios 11:23-25
Porque eu recebi do SENHOR o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim.    

Lucas 22:19-20
E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.    

Paulo parece estar citando o evangelho de Lucas – o único evangelho que tem Jesus dizendo que os discípulos devem “fazer isso em memória de mim”. Se Paulo está tentando usar uma descrição da refeição que já era bem conhecida na época, o relato deve ter circulado por um período de tempo antes da carta de Paulo.

Lucas Cita Marcos (e Mateus) Repetidamente
Lucas, ao escrever seu próprio evangelho, admitiu prontamente que não era uma testemunha ocular da vida e do ministério de Jesus. Em vez disso, Lucas se descreveu como historiador, coletando as declarações das testemunhas oculares que estavam presentes na época:

Lucas 1:1-4
Muitos já se dedicaram a elaborar um relato dos fatos que se cumpriram entre nós, conforme nos foram transmitidos por aqueles que desde o início foram testemunhas oculares e servos da palavra. Eu mesmo investiguei tudo cuidadosamente, desde o começo, e decidi escrever-te um relato ordenado, ó excelentíssimo Teófilo, para que tenhas a certeza das coisas que te foram ensinadas..    

Como resultado, Lucas frequentemente repetia ou citava passagens inteiras que eram oferecidas anteriormente por Marcos (350 versos de Marcos aparecem no evangelho de Lucas) ou Mateus (250 versos de Mateus aparecem no relato de Lucas). Essas passagens foram inseridas no evangelho de Lucas como se fossem simplesmente copiadas dos outros relatos. É razoável, portanto, concluir que o relato de Marcos já era reconhecido, aceito e disponível a Lucas antes de sua autoria do evangelho.

Com base nesses fatos, pode-se estabelecer uma linha de tempo de datação antiga:

1-33 d.C.: Vida de Jesus

45-50 d.C. – Marcos escreve o seu evangelho

50-53 d.C. – Lucas escreve o seu evangelho

53-57 d.C. – Paulo cita Lucas

57-60 d.C. – Lucas escreve Atos

61-65 d.C. – Mortes de Tiago, Paulo e Pedro

67-70 d.C. – Cerco de Jerusalém

70 d.C. – Templo destruído

As evidências da história (e os próprios textos) apontam de forma mais razoável para a autoria antiga dos Evangelhos. Click To Tweet

As evidências da história (e os próprios textos) apontam de forma mais razoável para a autoria antiga dos Evangelhos. Esta datação precoce é útil para avaliar o seu status de verdade. Se os Evangelhos foram escritos tão cedo, na mesma região onde os eventos aconteceram, teria sido difícil para eles incluir mentiras óbvias, dado que eles teriam sido escritos para pessoas que estavam vivas durante os eventos registrados no Novo Testamento. Essas pessoas estariam disponíveis para examinar o conteúdo dos Evangelhos e chamá-los de mentiras se contivessem informações falaciosas. A datação antiga dos Evangelhos é um fator importante na determinação de sua confiabilidade.

J. Warner Wallace é um detetive de casos de homicído arquivadosdefensor do Cristianismo, pesquisador sênior do Colson Center for Christian Worldview, professor associado de apologética na Universidade de Biola e autor de Cristianismo Cold-Case , Cena do crime de Deus, e Fé Forense.

Mais artigos em português AQUI. Leia a tradução original AQUI.

Check Also

Quick Shot: “If Christianity were true, there wouldn’t be so many denominations”

Our “Quick Shot” series offers brief answers to common objections to the Christian worldview. Each …