Deus é Real? Padrões Morais Comuns e Objetivos São Uma Evidência da Existência de Deus

Print Friendly, PDF & Email

Is God Real? Common Moral Standards and Objectives Are Evidence of God’s Existence

O argumento axiológico para a existência de Deus baseia-se na existência de verdades morais objetivas e transcendentes (isto é, “nunca é moralmente permitido ou virtuoso torturar bebês por diversão”). Mas nem todos concordam que essas verdades existam em primeiro lugar, embora muitas vezes pareçam auto-evidentes . Muitos que aceitam a existência de verdades morais transcendentes ainda negam quem deu a verdade moral transcendente. Alguns céticos acreditam que essas verdades morais vêm do nosso desenvolvimento evolutivo como uma espécie , estão embutidas em nosso DNA ou são simplesmente uma questão de convenção social. Se este for o caso, a verdade moral é relativa ao indivíduo que faz a afirmação. O relativismo moral é, no entanto, difícil de realizar consistentemente. Aqueles que argumentam contra a existência de valores morais objetivos e transcendentes, tipicamente advogam por tais valores quando o empurrão chega (especialmente quando eles foram vitimizados). Aceitamos muitos valores e costumes como se fossem transcendentemente verdadeiros, mesmo que possamos negar a existência de tais verdades abrangentes. Deus é real? Nossa aceitação comum de um padrão moral objetivo é mais uma evidência da existência de Deus.

Se não existem verdades morais objetivas e transcendentes, perdemos a capacidade de tomar muitas decisões e julgamentos significativos. Sem a existência de tais verdades, nada pode ser considerado objetivamente virtuoso, vil ou benigno . Greg Koukl, meu parceiro de ministério na Stand to Reason, escreveu um excelente livro sobre este tema: Relativism; Feet Firmly Planted in Mid-Air. Greg faz várias observações importantes, algumas das quais estão resumidas aqui:

Todo Elogio Verdadeiro Requer um Padrão Moral Objetivo
A maioria de nós reconhece a importância do elogio, particularmente quando alguém se comportou nobremente ou se comportou de maneira sacrificial para melhorar o mundo de alguma forma. Mas é impossível elogiar verdadeiramente alguém por tal comportamento sem a existência de um padrão moral objetivo e transcendente. Nossos elogios para aqueles que agiram sacrificialmente para o bem dos outros devem ser mais do que elogios subjetivos. Quando elogiamos alguém, estamos elogiando-os por algo que acreditamos ser objetivamente virtuoso, e seria considerado por todos e qualquer um, independentemente da opinião pessoal. Nós raramente dizemos: “Nós te elogiamos por fazer algo que valorizamos nessa cultura; algo que pessoalmente achamos ser bom, mesmo que não seja bom para ninguém. ”O verdadeiro elogio pressupõe um padrão abrangente de bondade que transcende todos nós como seres humanos. Você se lembra de ter crescido quando adolescente e ouvir sua mãe lhe dizer que você era belo ou bonito? Aceitamos tais elogios com certo grau de hesitação, não aceitamos? Sua afirmação era verdadeira ou simplesmente sua opinião tendenciosa e subjetiva? Ficamos imaginando se somos realmente belos ou verdadeiramente bonitos. O verdadeiro elogio requer um padrão objetivo relacionado ao que é bom ou ruim; feio ou lindo.

Toda Verdadeira Condenação Requer um Padrão Moral Objetivo
De um modo semelhante, também é impossível condenar verdadeiramente alguém a menos que exista um padrão moral objetivo e transcendente. Muitas vezes condenamos aqueles que pensamos incorporarem o mal em nosso mundo (Hitler é um bom exemplo). Quando dizemos que acreditamos que alguém (ou algo) é mau, achamos que estamos expressando mais do que nossa opinião pessoal. Nós achamos que essa pessoa (ou coisa) é realmente má e digna de condenação por todo mundo. Mas tal condenação transcendente requer um padrão moral objetivo e transcendente que define o bem e o mal. Se rejeitarmos tal padrão, devemos aceitar o que uma pessoa pode ver como má, outra pode ver como boa. Em um mundo como este, declarações de condenação são sem sentido. Eles nada mais são do que mera opinião e, no final, presumem que o condenado tem algum direito de julgar outros que simplesmente têm uma opinião diferente . Nesse tipo de mundo, a firme condenação é arrogante e hipócrita.

Todo Ativismo Moral Requer Um Padrão Moral Objetivo
Reconhecemos a virtude de reformadores morais como Martin Luther King Jr. Há momentos em que um ativista vê a necessidade de melhoria dentro de uma sociedade e se sente compelido a propor reformas. Mas se as verdades morais são formadas por consenso cultural, a reforma moral é ilógica (e, de fato, imoral). Quando uma sociedade decide que algo é moralmente virtuoso (e a grande maioria de seus membros concorda com isso), com base em que um reformador solitário, discordando do consenso cultural, pode pedir por mudança? A que padrão esse reformador moral é atraente? Se as verdades morais vêm da sociedade, o que a sociedade acredita é, por definição, moralmente correto. Se a maioria governa, esse grupo é a fonte da verdade moral. Em um mundo como este, a posição minoritária é imoral por definição . Os reformadores morais não podem argumentar por uma verdade moral a menos que estejam concordando com a sociedade. Em suma, quem defende a reforma neste tipo de mundo é moralmente enganado. Um reformador moral como Martin Luther King Jr. simplesmente não poderia existir (como uma pessoa que detém uma posição minoritária) e defender uma verdade moral transcendente, a menos, é claro, que tal verdade venha de algo (ou de alguém) que não a cultura.

Toda Tolerância Requer um Padrão Moral Objetivo
Finalmente, vamos dar uma olhada no muito amado atributo da tolerância . Sem um padrão moral objetivo e transcendente, a verdadeira tolerância é impossível. Quando duas pessoas discordam, a tolerância é o comportamento empregado para coexistir apesar de sua discordância. Quando nós concordamos um com o outro, não há nada para tolerar . A tolerância é reservada para aqueles com quem discordamos . Mas se estamos vivendo em uma sociedade em que toda diversidade deve ser abraçada com status e valor iguais (como igualmente verdadeiro), não há nada com o qual possamos discordar. E sem discordância, não há necessidade de tolerância.

Enquanto alguns podem continuar a negar a existência de verdades morais transcendentes e objetivas, nossa aceitação comum de tais verdades revela uma contradição. Click To Tweet

Enquanto alguns podem continuar a negar a existência de verdades morais transcendentes e objetivas, nossa aceitação comum de tais verdades revela uma contradição. Normalmente aceitamos a base de padrões morais objetivos ao elogiar, condenar, reformar e tolerar o comportamento dos outros. Quando fazemos isso, destacamos nossa necessidade de um padrão objetivo. Esse padrão deve estar enraizado em algo diferente de nossas opiniões individuais ou coletivas. Deus é real? Nossa aceitação comum de um padrão moral objetivo é mais uma evidência da existência de Deus.

J. Warner Wallace é um detetive de casos de homicído arquivadosdefensor do Cristianismo, pesquisador sênior do Colson Center for Christian Worldview, professor associado de apologética na Universidade de Biola e autor de Cristianismo Cold-Case , Cena do crime de Deus, e Fé Forense.

Mais artigos em português AQUI. Leia a tradução original AQUI.

Check Also

Deus é Real? Deus é a Melhor Explicação Para as Leis Morais Objetivas

Is God Real? God Is the Best Explanation for Objective Moral Laws Vivemos em um …