Jesus Não é Uma Cópia de Mitra, Osíris e Hórus?

Print Friendly, PDF & Email

Is Jesus a Copy of Mithra, Osiris and Horus?

(Este artigo é o resumo e a junção de três artigos do James Warner Wallace.)

Jesus e Mitra

Alegação: Mitra nasceu de uma virgem em 25 de dezembro, em uma caverna, assistida por pastores

Verdade: Mitra na verdade nasceu de rocha sólida, deixando um buraco no lado de uma montanha (presumivelmente descrito como uma “caverna”). Ele não nasceu de uma virgem (a menos que você considere uma rocha como virgem). Seu nascimento foi celebrado em 25 de dezembro, mas os primeiros cristãos sabiam que esta não era a data verdadeira do nascimento de Cristo, e tanto os adoradores Mitraicos quanto a Igreja Romana primitiva emprestaram essa celebração das celebrações anteriores do solstício de inverno. Os pastores fazem parte do mitraísmo, testemunhando seu nascimento e ajudando Mitra a emergir da rocha, mas, curiosamente, os pastores existem na cronologia do nascimento em uma época em que os seres humanos não deveriam ter nascido ainda. Isso, juntamente com o fato de que a primeira versão dessa parte da mitologia mitraica surge cem anos após o surgimento do Novo Testamento, infere-se que é muito mais provável que essa parte do mitraísmo tenha sido emprestada do cristianismo, e não o contrário.

Alegação: Mitra foi considerado um grande professor viajante e mestre

Verdade: Não há nada na tradição mitraica indicando que ele era um professor de qualquer tipo, mas ele poderia ter sido considerado algum tipo de mestre. No entanto isso não seria inesperado de qualquer divindade. A maioria das mitologias descreve seus deuses dessa maneira.

Alegação: Mitra tinha 12 companheiros ou discípulos

Verdade: Não há evidência disso em nenhuma das tradições do Irã ou de Roma. É possível que a ideia de Mitra tenha 12 discípulos é simplesmente derivada de murais nos quais Mitra é cercado por doze signos e personagens do Zodíaco (dois dos quais são a lua e o sol). Mesmo esta imagem é pós-cristã e, portanto, não contribuiu para a imagem do cristianismo (embora certamente poderia ter pego do cristianismo).

Alegação: Mitra prometeu aos seus seguidores imortalidade

Verdade: Embora haja pouca evidência disso, certamente é razoável pensar que Mitra poderia ter oferecido a imortalidade, pois isso não é incomum para qualquer deus da mitologia.

Alegação: Mitra realizou milagres

Verdade: Claro que isso é verdade, pois isso também não era incomum para personagens mitológicos.

Alegação: Mitra se sacrificou pela paz mundial

Verdade: Há pouca ou nenhuma evidência de que isso seja verdade, embora haja uma história sobre Mitra matando um touro ameaçador em um ato heroico. Mas isso é o mais próximo possível.

Alegação: Mitra foi enterrado em um túmulo e depois de três dias ressuscitou, e Mitra era celebrado a cada ano no momento de sua ressurreição (que mais tarde para se tornar a Páscoa)

Verdade: Não há nada na tradição mitraica indicando que ele já tenha morrido, quanto mais ressuscitado. Tertuliano escreveu sobre os crentes mitraicos reencenando cenas de ressurreição, mas ele escreveu sobre isso ocorrendo bem depois dos tempos do Novo Testamento. O cristianismo não poderia, portanto, ter emprestado das tradições mitraicas, mas o oposto certamente poderia ser verdade.

Alegação: Mitra foi chamado de “Bom Pastor”, e foi identificado com o Cordeiro e o Leão

Verdade: Não há evidências de que Mitra fosse chamado de “Bom Pastor” ou identificado com um cordeiro, mas como Mitra era um deus-sol, havia uma associação com Leão (a Casa do Sol na astrologia babilônica), então alguém poderia dizer que ele estava associado a um Leão. Mas mais uma vez, toda essa evidência é, na verdade, pós-Novo Testamento; Os crentes mitraicos podem mais uma vez ter pego esse atributo do cristianismo.

Alegação: Mitra foi considerado o “Caminho, a Verdade e a Luz”, e o “Logos”, “Redentor”, “Salvador” e “Messias”.

Verdade: Baseado no registro histórico pesquisado e conhecido das tradições mitraicas, nenhum desses termos jamais foi aplicado a Mitra, com exceção do “mediador”. Mas este termo foi usado de forma muito diferente de como os cristãos usaram o termo. Mitra não era o mediador entre Deus e os homens, mas o mediador entre os deuses bons e maus de Zoroastro.

Alegação: Crentes Mitraicos celebraram o domingo como o dia sagrado de Mitra (também conhecido como o “Dia do Senhor”)

Verdade: Esta tradição de celebrar o domingo é apenas verdade para os crentes mitraicos de Roma e é uma tradição que data de após tempos cristãos. Mais uma vez, é mais provável que tenha sido pego do cristianismo do que o contrário.

Alegação: Crentes Mitraicos celebraram uma Eucaristia ou “Ceia do Senhor”

Verdade: Seguidores de Mitra não celebravam uma Eucaristia, mas celebravam uma refeição de comunhão regularmente, assim como muitos outros grupos no mundo romano.

A veracidade histórica de Jesus é determinada pelas evidências que sustentam a confiabilidade dos relatos de testemunhas oculares. Click To Tweet

Jesus e Osíris

Alegação: Osíris foi chamado de “Senhor dos senhores”, “Rei dos Reis”, “Deus dos Deuses”, “Ressurreição e a Vida”, “Bom Pastor”, “Eternidade da Eternidade”, e o deus que “fez homens e mulheres serem ‘nascidos de novo’ ”

Verdade: Estes nomes para Jesus não foram usados por Osíris, que foi chamado de “Senhor de Todos”, o “Bom Ser”, “Senhor do Submundo”, “Senhor (Rei) da Eternidade”, “Governador dos Mortos” , “Senhor do Oeste”, “Grande”, “Aquele que toma assento”, “o Gerador”, “o Carneiro [Ram no artigo em inglês]”, “Grande Palavra”, “Chefe dos Espíritos”, “Governador da Eternidade”, “Deus vivo ”,“ Deus acima dos deuses ”. Esses nomes bastante gerais também não eram incomuns para muitas outras divindades.

Alegação: O nascimento de Osíris foi anunciado por três homens sábios: as três estrelas Mintaka, Anilam e Alnitak no cinturão de Órion, e Osíris tinha uma estrela no leste (Sirius) que significava seu nascimento

Verdade: É verdade que alguns eruditos ligam Osíris a Órion, mas não aumentam a imaginação para chamar as três estrelas do cinturão de “sábios”, e não há menção de uma estrela oriental na mitologia de Osíris.

Alegação: Osíris teve uma espécie de cerimônia da Eucaristia, na qual sua carne foi comida na forma de bolos de comunhão de trigo.

Verdade: Não há evidências para isso na pesquisa dos estudiosos

Alegação: Osíris ensinou muito do mesmo material que Jesus; muitos ensinamentos são idênticos, palavra por palavra

Verdade: Não há absolutamente nenhuma evidência de nada disso, e a “sabedoria” de Osíris ainda está disponível para revisão.

Alegação: Osíris foi morto e depois ressuscitou, dando esperança a todo crente que também poderia ser ressuscitado para a vida eterna.

Verdade: Osíris foi assassinado e seu corpo foi desmembrado e espalhado. Mais tarde, suas partes do corpo foram recuperadas e reunidas, e ele foi rejuvenescido. Osíris então viajou para o submundo, onde ele se tornou o senhor dos mortos. Ele não ressuscitou com um corpo glorificado e andou com homens na terra, como fez Jesus. Ele não estava vivo novamente, como era Jesus, mas era um deus “morto” que nunca retornou entre os vivos

Jesus não é simplesmente uma releitura dos mitos de Hórus, Osíris e Mitra. Click To Tweet

Jesus e Hórus

Hórus foi adorado principalmente em dois centros culturais egípcios (Bekhdet no norte e Idfu no sul). Pouco permanece no norte, mas ainda há um grande e bem preservado templo ptolomaico em Idfu. A maioria das nossas informações sobre Hórus vem deste templo do sul. Hórus era geralmente representado como um falcão. Ele era o deus dos céus e o filho de Ísis e Osíris. Vamos dar uma olhada nas alegações que céticos fazem e separar a verdade da ficção. Também veremos algumas das expectativas e motivações razoáveis que fazem com que essas mitologias se assemelhem a Jesus:

Alegação: Hórus foi concebido por uma mãe virgem chamada Meri, e ele tinha um padastro chamado Geb (José).

Verdade: Hórus não foi concebido de uma virgem. De fato, evidências do Egito indicam que Ísis (não há evidência que “Meri” foi alguma vez parte do nome dela) pairou sobre o pênis erigido (ela criou) do Osíris para conceber Hórus. Embora ela possa ter sido virgem antes da concepção, ela utilizou o pênis de Osíris para conceber. Depois ela teve outro filho com Osíris. Não há evidência de três homens sábios como parte da história de Hórus. Geb era na verdade o “deus da terra”. Ele não era o pai terreno de Hórus. Geb não é equivalente de José e, na maioria dos casos, Geb é descrito como o pai de Osíris.

Alegação: Hórus nasceu em uma caverna, seu nascimento foi anunciado por anjos, anunciada por uma estrela e assistida por pastores.

Verdade: Não há referência de uma caverna ou manjedoura na história egípcia do nascimento de Hórus. De fato, nenhum desses detalhes estão presentes nas histórias de Hórus do Egito antigo. Hórus nasceu em um pântano. Seu nascimento não foi anunciado por um anjo. Não houve estrela.

Alegação: Hórus participou de um rito especial de passagem aos doze anos de idade e não há dados sobre essa criança dos 12 aos 30 anos.

Verdade: Não há esforço contínuo na mitologia de Hórus para explicar todos esses anos, portanto não há lacunas reais na cronologia. Hórus nunca ensinou em nenhum templo aos doze anos (como fez Jesus).

Alegação: Hórus foi batizado em um rio com a idade de 30 anos, e seu batizador foi decapitado posteriormente.

Verdade: Hórus nunca foi batizado. Embora os teóricos da conspiração frequentemente apontem para “Anup o Batizador” (alegando que ele foi decapitado posteriormente), não existe tal pessoa na história de Hórus.

Alegação: Hórus teve 12 discípulos.

Verdade: Hórus tinha apenas quatro discípulos (chamados “Heru-Shemsu”), mas em algum momento de sua história há uma referência a dezesseis seguidores e um grupo de inumeráveis seguidores que se juntam a Hórus em batalha (chamados de “mesnui”).

Alegação: Horus realizou milagres, exorcizou demônios, ressuscitou alguém dentre os mortos e andou sobre as águas.

Verdade: Hórus certamente realizou milagres (afinal, ele era descrito como um deus). Mas não houve menção de exorcizar demônios, levantar pessoas dos mortos ou andar sobre as águas.

Alegação: Hórus foi chamado de “Iusa”e a “Criança Sagrada”.

Verdade: Ninguém na história egípcia foi chamado de “Iusa” (a palavra não existe) e ninguém foi chamado de “criança sagrada”.

Alegação: Hórus fez um “Sermão da Montanha”, e seus seguidores contaram seus ditos. Ele foi transfigurado no Monte.

Verdade: Hórus nunca entregou um “Sermão da Montanha”, nem foi transfigurado.

Alegação: Hórus foi crucificado entre dois ladrões, enterrado por três dias em um túmulo e foi ressuscitado.

Verdade: Não há relatos de Hórus como tendo morrido na grande maioria das narrativas egípcias. Também não há história de crucificação. Em vez disso, Hórus é geralmente descrito como, eventualmente, fundindo-se com Rá (o deus do Sol), após o qual ele “morre” e é “renascido” todos os dias quando o sol nasce. Há um relato paralelo descrevendo a morte de Hórus e detalhando como ele foi jogado em pedaços na água, depois retirado por um crocodilo a pedido de Ísis.

Alegação: Hórus foi chamado de “Caminho”, “a Verdade, a Luz”, “Messias”, “Filho Ungido de Deus”, “Filho do Homem”, “Bom Pastor”, “Cordeiro de Deus”, “Palavra feita carne”, Palavra da Verdade ”,“ o KRST ”ou“ Ungido ”.

Verdade: Nenhum desses títulos está na história egípcia, mas Hórus é chamado por vários nomes que você pode esperar de qualquer deus da mitologia: “Grande Deus”, “Chefe das Potestades”, “Mestre dos Céus” e “Vingador dos Seu Pai”. Hórus não foi chamado de “o KRST”. Esta palavra em egípcio significa “enterro” (não era um título).

Alegação: Hórus era “o Pescador” e estava associado com o Peixe, Cordeiro e Leão.

Verdade: Alguns dos teóricos da conspiração associam Hórus com peixes (em virtude do fato de que Hórus era um peixe em alguma porção da antiga narrativa), mas não há evidência de que Hórus tenha sido chamado de “Pescador” ou tenha sido associado com o Leão ou o Cordeiro.

Alegação: Hórus veio para cumprir a Lei, e deveria reinar mil anos.

Verdade: Não havia “lei” egípcia para Hórus cumprir, e não há menção de um reinado de mil anos na mitologia egípcia.

Os céticos às vezes retratam esses deuses como algo que eles não são para nos impedir de acreditar em Jesus como algo que Ele é. Click To Tweet

Como o próprio leitor pode ver, não há nenhuma ligação com essas divindades mitológicas e o Jesus. Além disso, as semelhanças entre Jesus e os precursores mitológicos não invalidam a historicidade de Jesus. A veracidade histórica de Jesus é determinada pelas evidências que sustentam a confiabilidade dos relatos de testemunhas oculares. Jesus não é simplesmente uma releitura dos mitos de Hórus, Osíris e Mitra. Embora a adoração dessas divindades estejam mortas, o cristianismo continua a prosperar. Por quê? Porque os registros cristãos são confiáveis. Os céticos às vezes retratam esses deuses como algo que eles não são para nos impedir de acreditar em Jesus como algo que Ele é. Mas o registro bíblico confiável estabelece a Divindade de Jesus de uma maneira que nenhum outro texto mitológico antigo poderia esperar alcançar.

Traduzido das Seguintes Fontes:

“Is Jesus Simply a Retelling of the Horus Mythology?”

“Is Jesus Simply a Retelling of the Osiris Mythology?”

“Is Jesus Simply a Retelling of the Mithras Mythology?”

J. Warner Wallace é um detetive de casos de homicído arquivadosdefensor do Cristianismo, pesquisador sênior do Colson Center for Christian Worldview, professor associado de apologética na Universidade de Biola e autor de Cristianismo Cold-Case , Cena do crime de Deus, e Fé Forense.

Mais artigos em português AQUI. Leia a tradução original AQUI.

Check Also

Quick Shot: “Jesus was just a man”

Our “Quick Shot” series offers brief answers to common objections to the Christian worldview. Each …