A Verdade Sobre a Páscoa: Os Discípulos Mentiram Sobre a Ressurreição?

Print Friendly, PDF & Email

The Truth About Easter: Did The Disciples Lie About the Resurrection?

Detetives de homicídios são talvez as pessoas menos confiantes no país. Minha própria experiência investigando assassinatos me ensinou a considerar todos uns mentirosos – até que, pelo menos, eu tenha bons motivos para acreditar no contrário. Eu sei que isso parece pessimista, mas eu aprendi há muito tempo que os mistérios não são resolvidos se você acredita em tudo que é dito. Talvez seja por isso que rejeitei as alegações do cristianismo por tantos anos. Eu era ateu até a idade de trinta e cinco anos e, como muitos outros não-crentes, eu achava que as alegações relacionadas à ressurreição de Jesus eram, provavelmente, mentiras das supostas testemunhas.

Então, examinei essas afirmações usando as ferramentas de um detetive.

Nos meus anos resolvendo assaltos e homicídios, tive a oportunidade de investigar (e descobrir) vários esforços de conspiração. Como resultado, agora sei o que é preciso para realizar uma conspiração. Conspirações bem-sucedidas geralmente envolvem as seguintes cinco condições:

Um pequeno número de conspiradores
Quanto menor o número de conspiradores, maior a probabilidade de a conspiração ser um sucesso. Mentiras são difíceis de manter, e quanto menor o número de pessoas que têm que continuar a mentira, melhor.

Um curto período de tempo
Já é difícil dizer uma mentira uma vez; ainda mais difícil é repetir a mentira consistentemente durante um longo período de tempo. Por esse motivo, quanto menor a conspiração, melhor. A conspiração ideal envolveria apenas dois conspiradores e um dos conspiradores mataria o outro logo após o crime. Isso é uma conspiração que seria muito difícil de descobrir.

Comunicação completa e imediata
isso é fundamental. Um (ou mais) dos conspiradores será eventualmente questionado pelas autoridades. Outros co-conspiradores tinham que saber de tudo (e todos os mínimos detalhes) oferecidos nessa interação com os questionadores. Os conspiradores precisam poder contar um ao outro o que disseram às autoridades, amigos e familiares.

Conexões relacionais significativas
Quando todos os co-conspiradores estão conectados em relacionamentos profundos e significativos, é muito mais difícil convencer um deles a “desistir” do outro. Quando todos os conspiradores são membros da família, por exemplo, essa tarefa é quase impossível. Quanto maior o vínculo relacional entre todos os conspiradores, maior a possibilidade de sucesso.

Pouca ou nenhuma pressão
Poucos suspeitos confessam a verdade até reconhecerem o risco de não conseguirem fazê-lo. A menos que sejam pressionados a confessar, os conspiradores continuarão mentindo. A pressão não precisa ser física por natureza. Quando os suspeitos temem o encarceramento ou a condenação de seus colegas, eles geralmente respondem em um esforço para salvar a reputação ou salvar sua própria pele. Isso é multiplicado à medida que o número de co-conspiradores aumenta. Quanto maior a pressão sobre os conspiradores, maior a probabilidade da conspiração falhar.

Não é razoável acreditar que os discípulos conspiraram para mentir sobre a ressurreição. Click To Tweet

É por isso que agora rejeito a afirmação de que os discípulos de Jesus mentiram sobre a ressurreição. O número de conspiradores necessários para realizar com sucesso a “conspiração cristã” teria sido impressionante. O livro de Atos nos diz que houve 120 testemunhas oculares no cenáculo após a ascensão de Jesus (Atos 1:15), e Paulo disse aos crentes em Corinto que centenas de pessoas afirmaram ver o Cristo ressurreto (1 Coríntios). Não é razoável acreditar que os discípulos conspiraram para mentir sobre a ressurreição pelas seguintes razões:

Haveria muitos discípulos envolvidos na conspiração.

Os apóstolos teriam sido obrigados a proteger suas mentiras conspiratórias por muito tempo (mais de seis décadas).

Os apóstolos tinham pouco ou nenhum modo efetivo de se comunicar uns com os outros de maneira rápida ou completa, dada a limitada tecnologia de comunicação do primeiro século e a distância geográfica entre os discípulos.

Embora houvesse pares de membros da família no grupo de testemunhas oculares apostólicas, a maioria não tinha nenhum relacionamento familiar um com o outro.

Os apóstolos foram agressivamente pressionados e perseguidos quando foram dispersos da Itália para a Índia.

Esses homens e mulheres ou estavam envolvidos na maior (e mais improvável) conspiração de todos os tempos ou eram simplesmente testemunhas oculares que estavam dizendo a verdade. Click To Tweet

Não me interpretem mal, conspirações de sucesso ocorrem todos os dias. Mas se você acha que sabe de um, é porque não foi bem sucedido. Quando conspirações são bem sucedidas, é porque elas envolvem um pequeno número de participantes incrivelmente unidos que estão em constante comunicação uns com os outros por um período muito curto sem qualquer pressão externa. Esse não foi o caso para os discípulos. Esses homens e mulheres ou estavam envolvidos na maior (e mais improvável) conspiração de todos os tempos ou eram simplesmente testemunhas oculares que estavam dizendo a verdade. Para os cristãos que celebram a Páscoa deste ano, a última opção é, de longe, a conclusão mais razoável.

J. Warner Wallace é um detetive de casos de homicído arquivados, defensor do Cristianismo, pesquisador sênior do Colson Center for Christian Worldview, professor associado de apologética na Universidade de Biola e autor de Cristianismo Cold-Case , Cena do crime de Deus, e Fé Forense.

Mais artigos em português AQUI. Leia a tradução original AQUI.

Check Also

The Case for the Reliability of the New Testament (Free Bible Insert)

I’ve written quite a bit about the reliability of the New Testament eyewitness accounts in …